quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Você foi...


Propósito nº 1: Você foi planejado para dar prazer a Deus (Adoração).
Propósito nº 2: Você foi formado para fazer parte da Família de Deus (Comunhão).
Propósito nº 3: Você foi criado para tornar-se como Cristo (Discipulado).
Propósito nº 4: Você foi moldado para servir a Deus (Ministério).
Propósito nº 5: Você foi feito para uma missão (Missão).

Robert J. Tamasy

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

2010 – ANO DE CONQUISTA


É tempo de vencermos os desafios, de olharmos para frente, de confiarmos em Deus. 2010 poderá ser um ano verdadeiramente diferente, se tivermos novas e excelentes atitudes: “Atitude diferente, resultado diferente”. Se, queremos ser bons naquilo que fazemos, devemos: a) Assumir definitivamente nossa identidade; b) Ser determinados nas nossas responsabilidades; c) Desenvolver nossas habilidades e; d) Correr com perseverança a carreira que nos está proposta, desembaraçando-nos de todo pecado e do peso que tenazmente nos assedia, olhando sempre para o Autor e Consumador da nossa fé, Jesus Cristo - o Senhor da seara (Hb 12.1-2).

Vamos alcançar nossos objetivos se jamais desistirmos. Aprendi que as pedras do caminho servem para fazerem a seleção entre aqueles que, tem o espírito de vitória e os que nunca vão subir ao podium da conquista. Lembre-se: os ótimos resultados finais são sempre frutos da nossa grande perseverança. Por isso, como diz a Palavra, quem sai andando e chorando enquanto semeia, voltará com alegria trazendo o resultado do seu trabalho (Salmo 126).

Neste ano de 2010 temos o desejo de: a) Unir e solidificar nossa Igreja através dos grupos familiares (encontros semanais); b) Voltar a sonhar e projetar o futuro vitorioso da nossa Igreja – Iniciar a execução o “PROJETO 2015”; c) Motivar uns aos outros à edificação (obediência à Palavra), ao crescimento (fortalecendo os ministérios) e à multiplicação dos frutos do nosso trabalho (nossas conquistas).

Pedimos a todos os lideres, membros e participantes da nossa Igreja: que trabalhem (e procurem não dar muito trabalho), que escutem mais (para falarem menos e melhor), que gastem mais tempo com leitura e estudo (para conhecer mais e desenvolver suas capacidades), que se envolvam com a Comunidade e sirvam sempre (para não lhe faltar o direito de pertencer e serem servidos), que paguem o preço dos seus sonhos (pois esta é a única maneira de fazer a diferença), que acima de tudo amem e perdoem (para serem completos) e saibam, como disse o pastor Eliezer Kosta, que: “Aqueles que nada fazem e esperam algum tipo de vitória estão enganados. A vitória é dos que lutam, dos que agem, dos que "saem do porto. A vitória é dos que se arriscam para alcançar o alto da montanha.”

Seja, Sonhe, creia, obedeça, vá em frente, ame e alcance!
2010 será o que você fizer dele!


Vamos... encontro você no lugar da vitória!

Em Cristo!


Rev. Mauricio Baniski
Pastor da Igreja Presbiteriana Comunidade Vida Nova
Dez/2009

Que tal fazer de 2010 um ano diferente


Vou tentar adivinhar: neste período entre o Natal e a primeira ou segunda semana de janeiro você decidiu que, daqui para a frente, tudo vai mudar. Que vai fazer tudo diferente. Tomou umas tantas resoluções e se comprometeu (consigo mesmo) a por todas em prática no novo ano.

Se você é como a maioria das pessoas mais ou menos normais - incluindo este que vos escreve - essas resoluções incluem se alimentar melhor, ser mais organizado, ver menos TV e ler mais, gastar menos com supérfluos, se exercitar três vezes por semana, fazer aquele curso, iniciar aquele novo projeto e/ou outras coisas que você sabe que vão tornar sua vida melhor.

Sua alma está lotada de boas intenções. “Agora é para valer!” Mas você e eu sabemos o que vai acontecer, não é? O ano vai começar meio devagar, dando a impressão de que desta vez vai dar. Então, de uma hora para a outra, a coisa vai pegar fogo - seja por falta de clientes ou pelo excesso de clientes, tanto faz. A correria e o “turbilhão efêmero” do dia-a-dia vão tomar conta da sua empresa, de você, da sua agenda e da sua vida. E quando 2010 terminar você não terá implementado nem a metade daquelas resoluções. Que, diga-se de passagem, eram boas e, se materializadas, teriam o condão de mudar MESMO a sua vida para melhor.

Que tal fazer a coisa de um jeito um pouquinho diferente neste ano? Em lugar de ficar com as resoluções guardadas apenas na sua cabeça, pegue um papel e uma caneta e escreva uma por uma. De preferência definindo uma data limite para cada uma delas ser implementada. Como se estivesse fazendo um Plano de Ação. Aliás, isso que estou propondo que você faça é um Plano de Ação.

Feito isso, você só precisa se disciplinar para, no último dia de cada mês, pegar o tal papel e checar uma por uma as tarefas que ali estão, riscando as já concretizadas e se obrigando a pensar em como (e quando) vai fazer as outras acontecerem. Você vai ver a diferença que isso faz.

Se é uma receita infalível? É claro que não. Até porque, para funcionar, depende da sua disciplina e, mais importante, de você ter um mínimo de vergonha na cara.

Mas asseguro que, se você tiver um mínimo de disciplina e de brios, ler o tal papel uma vez por mês vai conectar você com os compromissos que assumiu com a pessoa mais importante do mundo: você. E se isso não servir para estimular você a agir e fazer o que sabe que é melhor para sua vida, então é pouco provável que qualquer outra coisa funcione.

Vamos lá! Tente! Afinal, o que é que você tem a perder? E quanto pode ganhar, se der certo, mesmo que apenas em parte?

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Vou me alimentar da Esperança


Em meio a uma multidão de sentimentos misturados
A dor tenta apagar a esperança
Arrancar do meu peito a vontade de viver
Estrangular os sonhos que Deus colocou em mim
O rosto fica frio
A boca seca
E no silêncio noturno
Ouço de longe os gritos da minha alma
Desesperado de amor
Quase ausente de vida

Mas não vou desistir
Vou me alimentar da Esperança
Mesmo que a garganta da minha existência
Insista não querer engolir
Vou viver e atravessar o deserto
Vou encontrar meu lugar de descanso
Onde a paz e a vida abundante estão em todo lugar

Vou me voltar para Deus, Ele vai me levar...

Mauricio Baniski

domingo, 27 de dezembro de 2009

Neste novo ano...


Neste novo ano, talvez você perceba

que o amor é algo que se encontra

muito além de um belo sorriso,

que as coisas simples da vida

são também as mais importantes,

e que o teu fracasso ou o teu sucesso

dependem exclusivamente de tuas escolhas.


Neste novo ano, eu espero que você perceba

que maior parte da tua felicidade

é construída por você mesmo,

que poucas coisas confortam tanto a dor sofrida

quanto o bem que se faz,

que sempre se é feliz quando se tem bons amigos,

e que quem realmente te merece

não faz você sofrer.


Neste novo ano

será maravilhoso se você perceber

o quanto é bom acordar cedinho

para ver o Sol nascer!

Será maravilhoso se você perceber

que muitos erros cometidos

têm a intenção de acertar,

e que nas pessoas,

assim como em um bom perfume,

o que vale não é o frasco

mas a essência.


Neste novo ano, será bom se você perceber

que cada um oferece aquilo que tem

e que transborda de dentro de si,

que não nos cabe julgar nem punir nada aqui,

mas apenas compreender

e que o silêncio muitas vezes

é a maior sabedoria que podemos expressar.


Neste novo e lindo ano,

eu espero que você perceba

Que de certo modo,

o Amor é apenas uma maneira de olhar

Que a felicidade não tem muito a ver com dinheiro ou status

E que as pessoas mais valiosas em sua vida

são justamente aquelas que sempre estiveram ao teu lado

e que o mais importante não é que você encontre alguém

que te ame de verdade,

mas que você se ame sempre,

imensamente!

TEXTO DE AUGUSTO BRANCO
href="http://4.bp.blogspot.com/_smXHX90h3T4/SzdfqE5iKGI/AAAAAAAABFg/zfOrTg0zQoE/s1600-h/acampa+285.jpg">



Vida


Já perdoei erros quase imperdoáveis,
tentei substituir pessoas insubstituíveis
e esquecer pessoas inesquecíveis.

Já fiz coisas por impulso,
já me decepcionei com pessoas
que eu nunca pensei que iriam me decepcionar,
mas também já decepcionei alguém.

Já abracei pra proteger,
já dei risada quando não podia,
fiz amigos eternos,
e amigos que eu nunca mais vi.

Amei e fui amado,
mas também já fui rejeitado,
fui amado e não amei.

Já gritei e pulei de tanta felicidade,
já vivi de amor e fiz juras eternas,
e quebrei a cara muitas vezes!

Já chorei ouvindo música e vendo fotos,
já liguei só para escutar uma voz,
me apaixonei por um sorriso,
já pensei que fosse morrer de tanta saudade
e tive medo de perder alguém especial (e acabei perdendo).

Mas vivi!
E ainda vivo!
Não passo pela vida.
E você também não deveria passar!

Viva!!

Bom mesmo é ir à luta com determinação,
abraçar a vida com paixão,
perder com classe
e vencer com ousadia,
porque o mundo pertence a quem se atreve
e a vida é "muito" para ser insignificante.

POEMA DE AUGUSTO BRANCO



sábado, 26 de dezembro de 2009

Receita para um Ano verdadeiramente Novo



Para você ganhar belíssimo Ano Novo...

Não precisa fazer lista de boas
intenções para arquivá-las
na Gaveta.

Não precisa chorar de arrependimento
pelas besteiras consumadas nem
parvamente acreditar que por decreto

da esperança a partir de Janeiro
as coisas mudem e seja claridade,
recompensa, justiça entre os homens

e as nações, liberdade com cheiro e
gosto de pão matinal, direitos respeitados,
começando pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um ano-novo que mereça
este nome, você, meu caro, tem de
merecê-lo, tem de fazê-lo novo,

Eu sei que não é fácil mas tente,
experimente, consciente.

É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Um maravilhoso Ano Novo para você !

Carlos Drummond de Andrade)




sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Frases para um novo ano



"Para sonhar um ano novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre." (Carlos Drummond de Andrade)

“Nós abriremos o livro. Suas páginas estão em branco. Nós vamos pôr palavras nele. O livro chama-se Oportunidade e seu primeiro capítulo é o Dia de ano novo.” (Edith Lovejoy Pierce)

"Nenhum ano será realmente novo se continuarmos a cometer os mesmos erros dos anos velhos." (Autor desconhecido)

"Festejar, comemorar, comer e beber bastante nas festas de final de ano não é o que engorda, o que realmente engorda não é o que comemos entre o Natal e o Ano Novo, e sim, aquilo que comemos entre o Ano Novo e o Natal."
(Autor desconhecido)

“Alegrias para um ano novo e outra chance para nós acertarmos.”
(Oprah Winfrey)

“As pessoas estão tão preocupadas sobre o que eles comerão entre o Natal e o ano novo, mas eles realmente deveriam estar preocupados sobre o que eles comem entre o ano novo e o Natal.” (Autor desconhecido)

“O Dia de ano novo é o aniversário de todo homem.” (Charles Lamb)

"De repente, num instante fugaz, os fogos de artifício anunciam que o ano novo está presente e o ano velho ficou para trás." (Autor desconhecido)

"Se chovesse felicidade, eu lhe desejaria uma tempestade. Feliz Ano Novo!" (Autor desconhecido)

“O objetivo de um ano novo não é que nós deveríamos ter um ano novo. É que nós deveríamos ter uma alma nova.” (Gilbert Keith Chesterton)

“Um otimista fica acordado até meia-noite para ver a entrada do ano novo. Um pessimista fica acordado para ter a certeza de que o ano velho se foi.”
(Bill Vaughn)

"Que as realizações alcançadas este ano, sejam apenas sementes plantadas, que serão colhidas com maior sucesso no ano vindouro." (Autor desconhecido)

“Muitas pessoas esperam o ano novo por um novo começo em hábitos velhos.” (Autor desconhecido)



quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

A Sensibilidade do Natal


"Naqueles dias saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o mundo fosse recenseado. Este primeiro recenseamento foi feito quando Quirínio era governador da Síria. E todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade. Subiu também José, da Galiléia, da cidade de Nazaré, à cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi, a fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida.
6 . Enquanto estavam ali, chegou o tempo em que ela havia de dar à luz, e teve a seu filho primogênito; envolveu-o em faixas e o deitou em uma manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem." Lucas 2.1-7

Na narrativa do nascimento de Jesus em Lucas 2.1-7, o texto diz que não havia lugar para Maria na estrebaria. O dono da estrebaria perdeu uma grande oportunidade, talvez a grande oportunidade de sua vida de servir ao Rei dos reis. Não foi sensível à necessidade de Maria.

A atmosfera do natal sempre nos leva a uma reflexão de vida sobre o que somos, para onde vamos, etc. Penso que uma dos maiores presentes que podemos pedir a Deus no natal é o presente de sermos sensíveis às oportunidades que Ele coloca à nossa frente para servirmos à causa dEle e às pessoas que Ele criou e ama.

Já pensou como nossa vida seria diferente se fossemos mais sensíveis para perceber quem ao nosso redor precisa de um ouvido, de uma palavra de encorajamento, de um abraço, de uma oportunidade de trabalho, de recursos, de ser acolhido por nós? Não somente nossa vida seria diferente, mas a vida das pessoas ao nosso redor também seria diferente simplesmente porque estamos sendo um presente de Deus para elas. Estamos sendo sensíveis a elas.

O dono da estrebaria perdeu uma grande oportunidade. Talvez pela correria com tanta gente na hospedaria ou talvez por perceber que Maria não teria como pagar por um bom quarto.

Com certeza nossos natais serão mais felizes se pedirmos a Deus o presente da sensibilidade, de sermos como Jesus que percebeu a mulher samaritana, que creu numa recuperação de Pedro, que comeu com um Zaqueu. Jesus aproveitou as oportunidades dadas por Deus para ser sensível às pessoas.

Por isso, nosso pedido de natal a Deus é: “Faz-nos sensíveis àquelas pessoas que o Senhor colocar ao nosso redor”.

Com gratidão a Deus por suas vidas e pela alegria de servir à nossa igreja, desejamos a cada um, UM FELIZ NATAL de oportunidades e sensibilidade.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Atendendo o chamado do Senhor da Seara


Vivemos em um mundo que clama em silêncio por salvação. As guerras, as desigualdades, a fome, a miséria, as doenças e a morte mostram a fragilidade e a incapacidade humana de viver a paz. Os ouvidos e os olhos da Igreja precisam estar abertos para ouvir e ver este clamor.

Ousamos querer ser, nas mãos de Deus, uma resposta para este clamor do mundo. Através dos ministérios das nossas Igrejas, queremos ser a mão que se estende para levantar o caído, as pernas que correm para alcançar o perdido, os olhos que choram junto com aquele que sofre e a boca que anuncia a todas as nações que Jesus Cristo é o Senhor e o Salvador para todos que nEle crerem.

Convido você para um tempo de colheita. Deus nos tem chamado à evangelização. A sair da zona de conforto, colocar a mão no arado e ao olhar para trás. Para a Igreja alcançar o sonho de Deus nesta cidade eu e você precisamos ousar, investir, trabalhar e somar no reino de Deus. 2010 será um ANO DE CONQUISTAS porque nosso povo SERÁ FIEL ao chamado de JESUS à sua Igreja.

O TRABALHO COMEÇA AGORA.

Pastor Mauricio Baniski

domingo, 20 de dezembro de 2009

Para Vencer é preciso aprender a levantar-se


Todos nós sentimos medo de vez em quando, isso é normal. “Sinta medo, mas faça o que deve ser feito”, diz o ditado. É isso mesmo. Uma maneira de superar esse medo é manter este pensamento sempre no fundo da mente: vencer não é nada mais do que se levantar a cada queda! Deveríamos nos preocupar menos com a queda e mais com as chances que perdemos quando nem sequer tentamos. Afinal, muitas pessoas que entraram para a história da humanidade e são admiradas no mundo inteiro também falharam várias vezes. Quer exemplos? Então vamos lá:

- Albert Einstein não falava até os 4 anos de idade;

- o professor de música de Beethoven afirmou que como compositor ele era um caso perdido;

- Louis Pasteur foi considerado medíocre em química;

- Michael Jordan foi cortado do time de basquete quando estava no segundo ano do colégio!

Quer mais? então vamos citar eventos da vida de um homem que falhou muitas vezes, mas que continuou voltando a lutar. Veja se você consegue reconhecer de quem se trata. Ele:

- faliu nos negócios aos 22 anos; não se elegeu para a legislatura do Estado aos 23; faliu mais uma vez nos negócios aos 25; perdeu a mulher amada aos 26; não se elegeu para o cargo de orador aos 29; não se elegeu para o Congresso aos 34; foi eleito para o Congresso aos 37; perdeu a reeleição aos 39; não se elegeu para o Senado aos 46 e aos 49….

Esse homem foi ninguém menos do que Abraham Lincoln – eleito presidente dos Estados Unidos aos 51 anos de idade. Ele se levantou após cada queda e finalmente alcançou seu destino, ganhando o respeito e a admiração das pessoas e das nações.

(texto de Sean Covey, do livro “Os 7 hábitos dos adolescente altamente eficazes”)

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Vô Edson


A dor da saudade me ajuda a te encontrar
Dentro do meu peito em algum lugar
Onde a morte não pode tocar
Porque todas as imagens são eternas

Lá, vejo no teu rosto o sorriso
Na tua mão o bandolim
E, uma linda música tocar
Uma que o Criador te ensinou

Que fala de amor revelado na dor
Que faz do silêncio um eterno clamor
E expressa no coro seu grande valor
"Jesus sempre acompanha o nosso labor"

Sei que estás ai no céu
Essa música não mais precisas tocar
Porque não há tristezas ai
Nem pranto, nem dor
Só o alegre e eterno amor
No doce afago do Criador

Mas a todos que ainda estão aqui
O teu exemplo é uma inspiração
E, por isso ainda escuto aquela canção
Deixando minha alma entregar-se a emoção
Por um homem de tão puro coração

Eu sei que os anjos te aplaudem

Seu neto... Mauricio Baniski

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Dançando o teu amor


Tu me fazes sentir teu grande amor
Doce, leve e livre como pássaro a voar
Danço no balanço da tua graça
No gingado do teu favor
Sou totalmente entregue a ti

Meu deslizar é espontâneo
No teu trono me derramo
No compasso deste som
No calor do teu abraço
De compaixão e de unção

Mauricio Baniski

Justo é o Senhor!


"Retos, os teus Juízos" Salmo 119.137

A palavra de Deus é sempre atual, está sempre diante de nós com respostas certas sobre a nossa vida. Tentamos muitas vezes viver de outras maneiras, sem a observá-la, mas sábio é aquele que atenta para a Bíblia, que leva a sério esta Palavra, que ouve e pratica os juízos de Deus. Hoje, é um dia muito abençoado, porque Deus me fez compreender, que a unica maneira sadia de se viver é observando a vontade dEle.

Tem gente que ainda fica atrás de "adivinhos" e "profetas" que digam as coisas para eles. Preguiça de olhar a Palavra? Medo de se comprometer? Vontade de ouvir apenas o que vai receber e não o que tem que dar, o que fazer e não o que tem de ser feito e principalmente o que tem que ser ao invés de ter?

Minha gente, a Palavra de Deus é o "SEGREDO" que a todos os sedentos é revelado. O caminho para um viver satisfeito.

Vá para a Palavra de Deus agora se puder! (dica: leia o salmo 27)

Uma boa continuidade de semana pra você!

Mauricio Baniski

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

“Eis que o semeador saiu a semear”


Esta é frase que deveria estar em nossa mente todas as manhãs logo quando acordamos. Somos todos semeadores e semeamos o tempo todo no solo da nossa vida e da vida de outras pessoas. Hoje, colhemos o que semeamos ou o que semearam no nosso caminho no passado, e continuamos semeando o que vamos colher no futuro. Talvez, estejamos colhendo o que não plantamos, mas certamente colheremos o que estamos plantando. Por isso, devemos avaliar quais são as sementes que estão na nossa mão, na nossa boca, no nosso coração. Que sementes estamos lançando. Às vezes queremos colher algo diferente no futuro, daquilo que temos vivido hoje, mas continuamos plantando as mesmas sementes que nos trouxeram um colheita tão ruim no presente. Você é o (a) semeador(a), as sementes você escolhe, a colheita é certa.

Uma boa colheita pra você!

Mauricio Baniski

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Deus sempre cuida de mim!


As vezes a noite é longa demais
O deserto é muito extenso
E, as tempestades me assustam
Não sei o que dizer
Não sei o que fazer
Apenas quero escutar o meu silêncio
Mesmo que ele não tenha nada a me dizer
Mas, espero sempre uma manhã de sol
Um oásis no meio do deserto
Acredito que as nuvens
Por mais escuras e espessas
Vão se dissipar
E um novo tempo vai nascer

Deus sempre cuida de mim!

Mauricio Baniski

domingo, 13 de dezembro de 2009

"Curso de Escutatória"


Sempre vejo anunciados cursos de oratória. Nunca vi anunciado curso de escutatória.

Todo mundo quer aprender a falar. Ninguém quer aprender a ouvir.

Pensei em oferecer um curso de escutatória. Mas acho que ninguém vai se matricular.

Escutar é complicado e sutil.

Diz o Alberto Caeiro que “não é bastante não ser cego para ver as árvores e as flores. É preciso também não ter filosofia nenhuma”. Filosofia é um monte de idéias, dentro da cabeça, sobre como são as coisas. Aí a gente que não é cego abre os olhos.

Diante de nós, fora da cabeça, nos campos e matas, estão as árvores e as flores. Ver é colocar dentro da cabeça aquilo que existe fora. O cego não vê porque as janelas dele estão fechadas.

O que está fora não consegue entrar. A gente não é cego. As árvores e as flores entram. Mas – coitadinhas delas – entram e caem num mar de idéias. São misturadas nas palavras da filosofia que mora em nós. Perdem a sua simplicidade de existir. Ficam outras coisas. Então, o que vemos não são as árvores e as flores. Para se ver é preciso que a cabeça esteja vazia.

Parafraseio o Alberto Caeiro: “Não é bastante ter ouvidos para se ouvir o que é dito.

É preciso também que haja silêncio dentro da alma”. Daí a dificuldade: a gente não agüenta ouvir o que o outro diz sem logo dar um palpite melhor, sem misturar o que ele diz com aquilo que a gente tem a dizer. Como se aquilo que ele diz não fosse digno de descansada consideração e precisasse ser complementado por aquilo que a gente tem a dizer, que é muito melhor. No fundo somos todos iguais às duas mulheres do ônibus. Certo estava Lichtenberg – citado por Murilo Mendes: “Há quem não ouça até que lhe cortem as orelhas”. Nossa incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil da nossa arrogância e vaidade: no fundo, somos os mais bonitos…

Tenho um velho amigo, Jovelino, que se mudou para os Estados Unidos, estimulado pela revolução de 64. Pastor protestante (não “evangélico”), foi trabalhar num programa educacional da Igreja Presbiteriana USA, voltado para minorias. Contou-me de sua experiência com os índios. As reuniões são estranhas. Reunidos os participantes, ninguém fala. Há um longo, longo silêncio. (Os pianistas, antes de iniciar o concerto, diante do piano, ficam assentados em silêncio, como se estivessem orando.

Não rezando. Reza é falatório para não ouvir.

Orando. Abrindo vazios de silêncio. Expulsando todas as idéias estranhas. Também para se tocar piano é preciso não ter filosofia nenhuma). Todos em silêncio, à espera do pensamento essencial. Aí, de repente, alguém fala. Curto. Todos ouvem. Terminada a fala, novo silêncio. Falar logo em seguida seria um grande desrespeito. Pois o outro falou os seus pensamentos, pensamentos que julgava essenciais. Sendo dele, os pensamentos não são meus. São-me estranhos. Comida que é preciso digerir. Digerir leva tempo. É preciso tempo para entender o que o outro falou. Se falo logo a seguir são duas as possibilidades. Primeira: “Fiquei em silêncio só por delicadeza.

Na verdade, não ouvi o que você falou. Enquanto você falava eu pensava nas coisas que eu iria falar quando você terminasse sua (tola) fala. Falo como se você não tivesse falado”. Segunda: “Ouvi o que você falou. Mas isso que você falou como novidade eu já pensei há muito tempo. É coisa velha para mim. Tanto que nem preciso pensar sobre o que você falou”. Em ambos os casos estou chamando o outro de tolo. O que é pior que uma bofetada. O longo silêncio quer dizer: “Estou ponderando cuidadosamente tudo aquilo que você falou”. E assim vai a reunião.

Há grupos religiosos cuja liturgia consiste de silêncio. Faz alguns anos passei uma semana num mosteiro na Suíça, Grand Champs. Eu e algumas outras pessoas ali estávamos para, juntos, escrever um livro. Era uma antiga fazenda. Velhas construções, não me esqueço da água no chafariz onde as pombas vinham beber. Havia uma disciplina de silêncio, não total, mas de uma fala mínima. O que me deu enorme prazer às refeições.

Não tinha a obrigação de manter uma conversa com meus vizinhos de mesa. Podia comer pensando na comida. Também para comer é preciso não ter filosofia. Não ter obrigação de falar é uma felicidade. Mas logo fui informado de que parte da disciplina do mosteiro era participar da liturgia três vezes por dia: às 7 da manhã, ao meio-dia e às 6 da tarde. Estremeci de medo. Mas obedeci. O lugar sagrado era um velho celeiro, todo de madeira, teto muito alto. Escuro.

Haviam aberto buracos na madeira, ali colocando vidros de várias cores. Era uma atmosfera de luz mortiça, iluminado por algumas velas sobre o altar, uma mesa simples com um ícone oriental de Cristo. Uns poucos bancos arranjados em U definiam um amplo espaço vazio, no centro, onde quem quisesse podia se assentar numa almofada, sobre um tapete. Cheguei alguns minutos antes da hora marcada. Era um grande silêncio. Muito frio, nuvens escuras cobriam o céu e corriam, levadas por um vento impetuoso que descia dos Alpes. A força do vento era tanta que o velho celeiro torcia e rangia, como se fosse um navio de madeira num mar agitado.

O vento batia nas macieiras nuas do pomar e o barulho era como o de ondas que se quebram. Estranhei. Os suíços são sempre pontuais. A liturgia não começava. E ninguém tomava providências. Todos continuavam do mesmo jeito, sem nada fazer. Ninguém que se levantasse para dizer: Meus irmãos, vamos cantar o hino… Cinco minutos, dez, quinze.

Só depois de vinte minutos é que eu, estúpido, percebi que tudo já se iniciara vinte minutos antes. As pessoas estavam lá para se alimentar de silêncio. E eu comecei a me alimentar de silêncio também. Não basta o silêncio de fora. É preciso silêncio dentro. Ausência de pensamentos. E aí, quando se faz o silêncio dentro, a gente começa a ouvir coisas que não ouvia. Eu comecei a ouvir.

Fernando Pessoa conhecia a experiência, e se referia a algo que se ouve nos interstícios das palavras, no lugar onde não há palavras.

E música, melodia que não havia e que quando ouvida nos faz chorar.
A música acontece no silêncio.

É preciso que todos os ruídos cessem.

No silêncio, abrem-se as portas de um mundo encantado que mora em nós – como no poema de Mallarmé, A catedral submersa, que Debussy musicou.

A alma é uma catedral submersa.

No fundo do mar – quem faz mergulho sabe – a boca fica fechada.
Somos todos olhos e ouvidos.

Me veio agora a idéia de que, talvez, essa seja a essência da experiência religiosa – quando ficamos mudos, sem fala.

Aí, livres dos ruídos do falatório e dos saberes da filosofia, ouvimos a melodia que não havia, que de tão linda nos faz chorar.

Para mim Deus é isto: a beleza que se ouve no silêncio.

Daí a importância de saber ouvir os outros: a beleza mora lá também.

Comunhão é quando a beleza do outro e a beleza da gente se juntam num contraponto.

Rúbem Alves

sábado, 12 de dezembro de 2009

Servir a Deus


"Para aqueles que servem a Deus, basta o privilégio de um dia o haver conhecido."

Esta é uma frase que marca muito meu ministério porque mostra que tudo o que faço a Deus deve ser em gratidão à pessoa que Ele é e não ao que Ele pode fazer a ou oferecer. O serviço a Deus nunca deve ser uma troca, quem somos nós para fazer isso? Servir a Deus é um privilégio àqueles que tem o privilégio de reconhecê-lo como Ele verdadeiramente é: DEUS!

Tudo é por Ele, dEle e para Ele! Eternamente!

Mauricio Baniski

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Levante-se


Nem sempre é fácil levantar-se ao amanhecer;
Principalmente quando a noite foi longa;
E o descanso não veio.
Quando a ansiedade castigou a sua alma;
E os olhos insistiram em ficar abertos.
Quando o medo cobriu o seu rosto;
E o barulho do vento lhe assustou.

Porém, é preciso ter força e coragem!
Levantar-se é necessário para continuar.
Acreditar que este dia vai ser melhor;
E, que a próxima noite terá descanso.
Acreditar que o tempo é remédio;
Para entender o que aconteceu.
E que tudo na vida tem um sentido;
Trabalhando em seu favor.

Queira ser feliz
Mudar o seu mundo
Transformar a sua história
Realizar todos os seus lindos sonhos
Não fique preso ao que perdeu
Levante-se e arrisque-se mais
Vá conquistar tudo o que é seu
“Deus ajuda a quem cedo madruga”

Mauricio Baniski

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Simplesmente Ouvir


Os planos fracassam por falta de conselho, mas são bem-sucedidos quando há muitos conselheiros. (Provérbios 15.22)

Todos nós, por mais conhecimento que tenhamos adquirido em nossa vida, precisamos saber ouvir. No ouvir está a resposta para todas as situações da vida. Temos a necessidade de falar e, mesmo quando as pessoas estão falando, não temos a paciência de ouvir e esperá-la terminar, ficamos esperando um espaço para entrarmos com a nossa fala. Dificilmente ouvimos quando alguém está falando conosco geralmente estamos pensando no que vamos dizer a seguir.

Ouvir é mais importante que falar. A capacidade de ouvir é a capacidade que temos de aprender e desenvolver nossos conhecimentos. No começo precisa de treino, de vigilância, mas assim que você vai exercitando, começa a descobrir uma maneira nova de comunicar. Deus te deu dois ouvidos para ouvir e uma boca para falar. Creio que Ele queria dizer com isso que devemos ouvir, pelo menos, o dobro do que falamos.

Uma boa continuidade de semana pra você.

Mauricio Baniski

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Exemplo de Vida


“Persistência, coragem ou teimosia – no bom sentido da Palavra. Foram estes os ‘princípios ativos’ que Dirce Villas Boas Grotkowski ... escolheu para construir este empreendimento de beleza...” Li esta frase ontem em um jornal informativo da Maison Payot, em comemoração ao seus 10 anos de sucesso no Bairro da Granja Julieta em São Paulo e, me encheu o coração de esperança saber que ainda temos entre nós, pessoas que como a dona Dirce, fundadora deste instituto de beleza, fazem as coisas realmente acontecerem. Conversando um pouco com esta extraordinária senhora pude entender, de uma vez por todas, que o mais importante não é aquilo que acontece com a gente, mas o que fazemos com tudo aquilo que acontece com a gente. Em outras palavras, em vez de ficar lamentando as perdas e reveses que a vida lhe apresentou, Dona Dirce usou cada circunstância dura da sua existência como uma escada para alcançar o lugar mais alto.

Sem persistência e coragem como princípios ativos de uma caminhada a vida se torna apenas uma passagem pelo tempo, mas com estes dois ingredientes fundamentais para o sucesso, a vida se torna uma linda paisagem, onde todos que têm o privilégio de ver e ouvir a sua história se encantam e se inspiram a trilhar as mesmas veredas.

Se você também, assim como a dona Dirce, deseja realmente alcançar seus sonhos, tenha coragem. Se deseja subir o mais alto do podium, persista. Teime em se tornar o que você mesmo sonha, mesmo que só você acredite nisso.

Mauricio Baniski

sábado, 5 de dezembro de 2009

O natal existe...


“... para alumiar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, e dirigir os nossos pés pelo caminho da paz.” Lucas 1.79

O que é o Natal? Natal é, para nós cristãos, a época em que comemoramos o nascimento de Jesus Cristo, o Messias, o Filho de Deus. Que havia sido prometido, desde a formação do povo de Israel, de onde Ele viria para salvar toda a humanidade dos seus pecados.

Qual o sentido de comemorar o Natal? Comemorar o Natal é apontar para um tempo de esperança. É a manifestação divina da misericórdia (não nos dar o que merecemos: a morte) e da sua graça (nos dar o que não merecemos – a vida eterna) em favor da humanidade. Por isso, damos e recebemos presente. Presente é algo que não tem preço, não deve ser dado por merecimento, ou como pagamento. Presente é graça pura. Jesus foi o presente de Deus para toda a humanidade ( João 3.16). É Deus, o Pai, dando tudo e fazendo tudo a quem não merece e nunca vai merecer.

Em Jesus Cristo, fomos libertos da escravidão do pecado. Em Jesus Cristo, fomos justificados, santificados, adotados (como filhos amados) e comissionados (enviados por Deus para iluminar o caminho da humanidade com a luz divina – Jesus). Em Jesus Cristo, recebemos a vida nova, eterna e abundante, a oportunidade de uma vida de reconciliação com Deus, o Pai.

Natal é tempo de Presente. Jesus é o presente.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

A caminho de ser feliz!


O mundo não é o que sonhamos
Nem as pessoas o que imaginamos
Nós também não somos o que apresentamos
Mas tudo isso sempre foi assim
E quando crescemos, descobrimos
Que as coisas são perfeitamente imperfeitas
As pessoas difíceis
Nós muito complicados
E, heróis de verdade são humanos
Isso não é motivo para não viver
Não é razão para não se relacionar
Nem desculpa para deixar de ser
É apenas uma constatação real
Que pode ser uma companheira ideal
Para uma transformação radical
Melhorando o produto final

Na medida que reconhecemos nossas limitações, nos empenhamos em aperfeiçoar a nossa existência e contribuímos para a maturidade do nosso próximo, damos um passo a mais, a caminho do que verdadeiramente nascermos para ser:

FELIZ!

Mauricio Baniski

Não se entregue


Não se entregue...
Mesmo quando o frio lhe parecer insuportável
Quando lhe roubaram todas as estrelas
Quando todos se foram e você ficou só
Na pior solidão, no meio da multidão

Não se entregue...
Mesmo quando quem amava o traiu
Quando negaram sua amizade sincera
Quando todos se foram e você ficou só
No clamor do teu ser, vendo a alma perecer

Não se entregue...
Mesmo quando vir a dor de uma cruz que não era sua
Quando não entenderam o seu jeito de amar
Quando todos se foram e você ficou só
Só por amor, sozinho na dor

Nunca se entregue...
Jesus nos ensinou com a sua própria vida
Que missão exige superação
E, que nunca vale a pena desistir
Se os nossos sonhos são divinos

Mauricio Baniski

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Não desista!


Você já teve vontade de fugir? As vezes, o que nós mais desejamos é escapar, livrar-nos das exigências que a vida nos impõe! No entanto, depois que suportamos o desânimo, a vontade de parar, quase sempre, somos guiados para uma oportunidade que ofereçe uma realização inacreditável. Talvez você esteja diante da porta da oportunidade ou da mudança. Perdeu as forças, a confiança, a visão e a segurança. Bem no fundo surge o sentimento de "não vale a pena". Mas espere! Você pode estar no limiar dos melhores anos de sua vida.(Charles Swindoll em Liderança em tempos de crise)

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Com a minha voz te suplico...


Que abras os meus olhos para ver
A grandeza do teu amor
Penetrar os insondáveis mistérios da tua misericórdia
E, em cada detalhe perceber, o toque da tua graça

Eu sou apenas uma gota
No oceano do teu amor
Tão pequeno em mim mesmo
Mas tão grande quando lançado em ti

Ajuda-me a perceber que sempre estás aqui
Que sempre estás em mim
Que sou morada eterna do teu favor
E, és tu em mim, meu maior valor

Mauricio Baniski